Quadrilha que explodiu casas e loja encurralou 12 policiais em delegacia

Sede da Polícia Nacional em Ypejhú foi cercada e policiais avisados de que se saíssem seriam executados a tiros de fuzil

Logo após cruzarem a fronteira entre Paranhos (MS) e Ypejhú (Canindeyú), na madrugada de ontem (19), pelo menos 30 bandidos usando roupas camufladas ocupando cinco caminhonetes se dividiram em dois grupos.

Um grupo foi em direção à mansão da família do traficante Zacarias Alderete Peralta, no bairro Virgem do Rosário. O outro seguiu para a Comissaria (delegacia) da Polícia Nacional, onde 12 policiais descansavam.

Armados com fuzis automáticos, os sicários – como os pistoleiros são chamados no Paraguai – ordenaram aos policiais que ficassem dentro da delegacia e não tentassem impedir o ataque às casas e loja da família Alderete. Em menor número, os policiais paraguaios acataram as ordens.

Com os policiais da cidade cercados, os bandidos invadiram a mansão (no mesmo terreno há outras duas casas), localizada na Rua Manuel Alderete com Ponce de Arruda e a loja de veículos na Avenida Mariscal Estigarribia, a poucos metros do território brasileiro.

Na mansão estavam a filha de Zacarias, Rosana Antonia Alderete Peralta, 30, a nora dele Aline Veron Bittencourt, e o neto, de seis meses de vida. Aline é mulher de Diego Zacaria Alderete Peralta, filho de Zacarias, sobrevivente da chacina ocorrida em 19 de outubro de 2015 em Paranhos e o novo chefe do tráfico na região.

Moradores de Ypejhú, acordados pelos tiros e gritos, contam que as duas mulheres foram levadas pelos bandidos para a frente da casa e, a poucos metros do Juizado de Paz da cidade, foram interrogadas sobre o paradeiro de Diego. Ele e o pai não estavam na cidade.

Após o interrogatório, os bandidos começaram a atacar a mansão e as demais casas do terreno com granadas, dinamite e tiros de fuzil. Paredes, telhados e demais estruturas vieram abaixo. Um policial brasileiro que esteve no local ontem disse que o cenário lembra cidades do Afeganistão destruídas por anos de guerra civil.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar