Polícia prende ex-deputado estadual e ex-prefeito de cidade de MS por desvio de dinheiro

Antes de ir para cela, Raul Freixes passou mal e foi encaminhado para UPA de Campo Grande. Nesta terça-feira (12), está sendo verificada vaga para ele em algum presídio.

A Polícia Militar (PM) cumpriu mandado de prisão em desfavor do ex-apresentador e radialista, ex-deputado estadual e também ex-prefeito de Aquidauana, Raul Martines Freixes, de 58 anos. Ele foi preso no final da tarde dessa segunda-feira (11), sendo encaminhado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro e, em seguida, para a 3ª Delegacia de Polícia, em Campo Grande.

A reportagem tentou contato com a defesa de Raul, porém, não conseguiu conversar com ninguém até o momento.

“Ele passou a noite aqui na cela e estão providenciando a remoção dele para algum presídio da capital ou então de Aquidauana. Raul permaneceu aqui porque possui curso superior”, afirmou ao G1 o delegado Geraldo Marim Barbosa, titular da unidade policial.

A PM informou que a Força Tática, do 1° Batalhão, foi acionada pelo 190 para deslocar até o Centro Integrado de Justiça (Cijus) e cumprir o mandado. No entanto, ele passou mal e precisou ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros. Posteriormente, ele foi encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Leblon, onde permaneceu em observação médica e depois levado até a delegacia.

Conhecido como Raul Freixes, o suspeito possui antecedentes por calúnia, em 2011, injúria no ano seguinte, apropriação indébita em 2014 e ameaça no ano de 2017. Já em 2013, ele foi preso no dia 25 de agosto, após ter o pedido de prisão domiciliar negado. Conforme a investigação, havia a acusação de desvio de dinheiro público. Pelo crime ele foi condenado a quatro anos e oito meses de reclusão, em regime inicial aberto.

No pedido de prisão domiciliar, a defesa sustentou que Freixes tinha depressão e síndrome do pânico com possibilidade de suicídio e que sua enfermidade se agravou em razão de ter sido ameaçado no interior da unidade prisional segundo G1MS.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar