Trote com anúncio de “massacre” em Bonito marca o 10º caso em MS

Mais uma escola identificou troca no nome de rede de wi-fi e policiais chegaram a ir até o local

Na manhã de sexta-feira (12), em Bonito, a 257 km de Campo Grande, mais uma escola foi alvo de “trote” que anunciava um massacre, o que contabiliza ao menos 10 casos em Mato Grosso do Sul, efeito cascata do ataque que ocorre em Suzano (SP). O caso ocorreu na Escola Estadual Luiz da Costa Falcão.

Conforme o site Bonito Informa, a diretora acionou a polícia depois de identificar uma rede de wi-fi nomeada como “Massacre na escola Falcão 10h30”. O sinal foi notado por alunos, que avisaram a diretora.

Segundo o portal, o delegado Gustavo Henriques Barros enviou policiais até a escola. Eles descobriram que eram redes de compartilhamento de internet móvel criadas nos aparelhos celulares pelos alunos, para assustar os colegas.

Uma vez identificada a “brincadeira”, os policiais reuniram os estudantes no ginásio e discursaram sobre a “gravidade” do trote, além de orientar sobre procedimentos a serem adotados diante de situações de risco.

“Este tipo de alarme falso gera um desgaste. Quando realmente existir indícios de uma ameaça desta magnitude, a polícia civil deve ser imediatamente acionada para impedir que a ação criminosa aconteça”, declarou o delegado ao site.

Outros casos – Na quinta-feira (11), a polícia identificou mais três ameaças de massacre em escolas públicas de Mato Grosso do Sul. Dois casos ocorreram em Campo Grande e um em Dourados.

Na noite de quarta-feira (10), a Polícia Militar foi acionada após uma ameaça de massacre na Escola Estadual Hércules Maymone, localizada na Rua Joaquim Murtinho, em Campo Grande. Um aluno de 18 anos roteou a rede de Wi-Fi com a mensagem ”Massacre Hércules às 20h30”.

Por meio de um aplicativo, a Polícia Militar chegou ao autor da ameaça. Aos militares, o estudante disse que escreveu a mensagem em tom de brincadeira. Ele foi detido e encaminhado à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro. O celular foi apreendido.

Fernanda Félix, delegada da Deaij (Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude), explicou que esse tipo de ameaça generalizada pode ser equiparada ao ato infracional de ameaça, apologia e instigação ao crime. Os autores podem ser encaminhados para Unei (Unidade Educacional de Internação).

Por Campo Grande News

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar