Apoiados pela Suzano, apicultores fecham 2019 com faturamento estimado em R$ 500 mil em Mato Grosso do Sul

Com o apoio da Suzano, por meio do Programa Colmeias, apicultores da região Leste de Mato Grosso do Sul encerraram o ano de 2019 com faturamento aproximado de R$ 500 mil. O volume da produção comercializada reflete tanto a expansão da atividade apícola nas áreas de influência da empresa quanto o ganho em produtividade devido ao manejo aplicado pelos apicultores.

Em 2009, quando iniciado, o programa contava com apenas nove apicultores. Hoje, são 170 produtores rurais apoiados pela Suzano, presente em cinco municípios. “Esse crescimento tanto na produção de mel quanto no número de apicultores envolvidos no programa mostra que a apicultura na região não só é viável, como é uma fonte de renda em potencial para as famílias, com o objetivo de fomentar o desenvolvimento sustentável nessas comunidades. Não se trata de assistencialismo, mas de oferecer oportunidade para que essas famílias conquistem sua independência financeira e para que as associações se tornem autossustentável”, destacou Evânia Lopes, consultora de Desenvolvimento Social da Suzano.

O fortalecimento da cadeia produtiva na região também tem contribuído para a produção estadual. No ano passado, os grupos apoiados pelo Colmeias chegaram a 117 toneladas de mel produzido; volume que corresponde a 14% de toda a produção de Mato Grosso do Sul, como apontou dados da FEAMS (Federação de Apicultura e Meliponicultura do Estado). A produção por colmeia superou a média nacional em 65%. Enquanto a média em todo o Brasil foi de 21 quilos por colmeia, entre os apicultores do programa chegou a 34,65 quilos por colmeia. Atualmente, são sete mil colmeias instaladas pelas florestas plantadas de eucalipto da Suzano, o que garante, ao lado das boas práticas de manejo, maior ganho na produção e ainda permite aos apicultores maior rentabilidade das colheitas.

Programa Colmeias

O investimento do Programa Colmeias é direcionado para assistência técnica aos apicultores, trabalhando desde a estruturação das associações em gestão, produção e comercialização até na qualificação para o manejo das abelhas e processamento do mel. Ao longo desses dez anos, o Colmeias também viabilizou, por meio de parcerias, a construção de três salas de extração e dois entrepostos de mel na região.

Atualmente, o programa apoia seis associações de apicultores, distribuídas entre Três Lagoas, Brasilândia, Água Clara, Selvíria e Santa Rita do Pardo. No fim do ano passado, a Cooperaba (Cooperativa Brasilandense de Apicultores) conquistou o selo do SISBI (Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal) para o entreposto do mel em Brasilândia. A unidade tem capacidade de processamento e envase para 3,5 mil quilos de mel por dia.

Para este ano, o principal objetivo dos apicultores da AAPISEL (Associação de Apicultores de Selvíria) é a obtenção do Selo de Inspeção Municipal (SIM) para sala de extração de mel. Já para os produtores rurais de Santa Rita do Pardo, uma das metas do ano é a reforma da sala de extração de mel – os equipamentos para a instalação da Casa do Mel já foram adquiridos via Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Neste município, a parceria entre Suzano e a APPRAST (Associação dos Pequenos Produtores Rurais do Assentamento São Thomé) é recente, iniciada no fim do ano passado. Em janeiro, foram entregues 400 colmeias aos apicultores, que participaram do primeiro curso em manejo e preparo das colmeias para a captura de enxames. A associação fez entrega das colmeias como cessão de uso para o grupo de 25 apicultores.

“O programa da Suzano é muito importante para o produtor rural, principalmente para que os pequenos produtores tenham uma renda a mais. Só a gente sabe o quanto é difícil começar sozinho. Imagino que a grande maioria não teria condições sem essa parceria. Mas, não é só para o apicultor que o programa faz diferença. A abelha é essencial para todo o meio ambiente e para a produção de alimentos. Tanto que há regiões [em outros estados] em que produtores de laranjas, maça e outras culturas firmam parcerias com apicultores para que as abelhas ajudem na polinização das lavouras e aumente a produtividade. Sem as abelhas, ninguém produz nada”, destacou Vanildo Alves Rodrigues, coordenador do Grupo da Apicultura em Santa Rita do Pardo – MS.

Sobre a Suzano

A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, tem o compromisso de ser referência global no uso sustentável de recursos naturais. Líder mundial na fabricação de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, a companhia exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Com operações de dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A Suzano tem mais de 35 mil colaboradores diretos e indiretos e investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de eucalipto, as quais permitam a substituição de matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia possui os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3, no Brasil, e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, mercados onde suas ações são negociadas.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar